Data

09 de novembro,
22:30

Local
Sede Gil Vicente FC
Entrada
5 euros
 
Bilheteira
comprar bilhete

Conjunto Corona + Solar Corona

Conjunto Corona

Já provou a fama, a decadência, o empreendedorismo, o lenocínio e o sabor da chantagem. Já travou conhecimento com grandiosos ‘players’ da noite e dos negócios ilícitos da baixa Portuense. Infelizmente (e apesar da sua proatividade) a vida não lhe tem corrido de feição. Depois da sua incursão pelo mundo do alterne em 2016 (relatada no aclamado “Cimo de Vila Velvet Cantina”), circunstâncias de negócio (e também a gentrificação vivida na baixa do Porto) empurraram no para outro ecossistema: o dos arredores do Grande Porto. E é junto à mítica rotunda de Santa Rita onde uma igreja e um convento coexistem lado a lado com uma Repsol, um Mcdrive vê e um mítico restaurante em horário 24/7 que o grande Corona inicia o seu próprio culto, espalhando a sua doutrina e curando almas perdidas a partir daquele enclave místico na junção dos terrenos sagrados de Águas Santas, Ermesinde, Valongo e Baguim do Monte. Santa Rita Lifestyle (o quarto álbum de originais do Conjunto Corona) é a glorificação de Valongo, Ermesinde, Gaia, Trofa, Santo Tirso, Gondomar, Vila do Conde e até de Rio Tinto. Santa Rita Lifestyle é a religião onde as missas são substituídas por idas às bombas num Civic às duas da manhã para tomar café e fazer a rotunda de ‘gazão’ com as sapatas a “poliçar”. Santa Rita Lifestyle é o sangue de Corona que será derramado sobre vós, agora e para sempre, ámen.

Solar Corona

Por esta altura, tornou-se natural assumir de que a água de Barcelos tem qualquer coisa de especial. O que será, não saberemos ao certo, mas o que tem feito pelo rock deste país é um feito admirável. Os Solar Corona nasceram desse borbulhar criativo de uma cidade que mostra como se escreve rock com linha tortas. Como deve ser. Formados em 2013, em 2016 chegaram a um consenso à formação e assentaram em quarteto, com Rodrigo Carvalho (guitarra / sintetizadores), Peter Carvalho (bateria), José Roberto Gomes (baixo) e Julius Gabriel (saxofone / sintetizadores). Após a edição de três EPs entre 2013 e 2016, os Solar Corona chegaram a “Lightning One”, o primeiro longa-duração, fruto de anos de labor à procura do som que triunfasse nesta formação e que irão apresentar nesta noite.
Fruto do século XXI, os Solar Corona aprenderam a chamar a atenção no primeiro segundo e prolongar essa sensação de constante alerta durante todo o discurso: uma keynote do Steve Jobs em constante rejubilação eléctrica e luxúria cósmica. “Lightning One” é uma viagem no topo, que transcreve numa imagem a imensidão de estradas psicadélico-trópicas que se fundem nos Solar Corona.

Vídeos

© renato cruz dos santos